10 - A santa ceia

09/04/2015 19:50

"Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha" (1 Coríntios 11.26).

INTRODUÇÃO

A ceia do Senhor foi instituída por Jesus na noite de quinta-feira de Páscoa, quando foi preso no Getsêmane. Primeiro, ele participou da ceia pascal com os discípulos e depois instituiu a sua própria ceia, que haveria de comemorar sua morte pelos pecadores.

I. SIGNIFICADO E FINALIDADE DA SANTA CEIA

1. Em que base foi instituída a Santa Ceia? A Santa Ceia, instituída por Jesus, está baseada na ceia pascal dos judeus, que apontava para o passado e ao mesmo tempo para o futuro. Em relação ao passado, servia para comemorar a saída do Egito, onde o povo de Israel esteve em cativeiro durante mais de quatrocentos anos. E ao futuro, prefigurava o sacrifício do Messias.

O cordeiro pascal apontava para Jesus. Ele seria sacrificado como o "cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" (João 1.29). Através da morte de Cristo, uma nova aliança entre Deus e seu povo seria estabeleci da, onde os laços de sangue seriam substituídos por laços de fé.

Na antiga aliança o povo de Deus era constituído pelos descendentes de Abraão; na nova, é constituído por todos aqueles que recebem Jesus como Salvador e Senhor (João 1.11,12; Gálatas 3.7-9). Portanto, foi necessário substituir a páscoa por uma celebração que representasse a nova situação. A Santa Ceia.

2. Qual o significado da Santa Ceia. É um momento de reflexão da igreja, onde a introspecção é proporcionada pela solenidade. A Santa Ceia simboliza a morte do Senhor em nosso lugar, na qualidade de Cordeiro Pascal, sacrificado para livrar-nos do pecado e da morte. Ela simboliza a libertação de todos os pecadores: libertação do pecado, de Satanás e da morte. Assim como o sangue do cordeiro livrou os primogênitos dos israelitas da morte, o sangue de Jesus, nosso Cordeiro pascal (1 Coríntios 5.7), nos livra da morte eterna, da condenação ao inferno.

3. Para quem foi constituída? A ceia foi instituída para ser celebrada pelos crentes biblicamente batizados e que estão em comunhão com sua igreja e com o corpo de Cristo de modo geral (união entre irmãos). O batismo nas águas é condição para a ceia, pois se presume que o crente batizado:

a)    esteja integrado no corpo de Cristo e em comunhão com seus membros;

b)    já tenha declarado publicamente que compreende e aceita a nova aliança firmada no calvário;

c)    já tenha manifestado publicamente o desejo de ter uma nova forma de vida, sendo parte da igreja visível.

4. Quais as finalidades da Santa Ceia? A ceia do Senhor é uma cerimônia memorial, isto é, que serve de lembrança.

a)    Faz-nos lembrar da Pessoa e obra de Jesus Cristo. Pela sua comemoração os crentes relembram que Jesus morreu pelos seus pecados, e também que Ele voltará ao mundo para estabelecer o juízo final e o seu reino glorioso. Durante a Ceia o Espírito Santo atua nos crentes, esclarecendo-os a realidade do sofrimento, morte, ressurreição e ascensão de Jesus Cristo.

b)    Une os crentes em amor pela comunhão com Jesus. Veja o que escreveu o apóstolo João: "Se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado" (1 João 1.7).

II. ELEMENTOS QUE CONSTITUEM A CEIA

Os elementos da ceia são dois: pão e vinho. O pão simboliza o corpo de Cristo, que pelos pecadores foi dado na cruz do Calvário. O vinho simboliza o sangue de Jesus derramado para remissão dos pecados da humanidade.

Agora vamos nos deter um pouco no significado de cada elemento da Ceia.

1. O significado do pão. Na ceia da Páscoa, que Jesus celebrou com seus discípulos na véspera da sua crucificação, Ele tomou um pedaço de pão, deu graças, partiu-o e o distribuiu a todos dizendo: "Fazei isso em memória de mim" (Lucas 22.19).

Anteriormente, Jesus havia falado de si mesmo como sendo "o pão do céu" e o pão da vida. Ele foi o pão divino, dado aos homens por Deus; vindo do céu, sacrificou-se para alimentar com sua vida o mundo inteiro. Veja o que Ele disse: "Eu sou ou pão da vida. Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram. Este é o pão que desce do céu, para que o que dele comer não morra. Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo" (João 6.48-51).

Ao receber o pão na Santa Ceia, recebemos, pela fé, um alimento espiritual que reproduz em nós a vida de Jesus. Da mesma forma que o pão fortalece nossos corpos físicos, a vida de Jesus nos dá força e energia espiritual.

2. O significado do cálice. Após a ceia da Páscoa, com seus discípulos, Jesus tomou do cálice e disse: "Este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim" (1 Coríntios 11.25). O cálice e o fruto da vide representam o sangue derramado de Jesus; significa também a nova aliança, selada com esse sangue vertido: "Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós" (Lucas 22.20). Trata-se do pacto predito pelo profeta Jeremias no capítulo 31.31-34.

Ao receber o cálice na Santa Ceia, fortalecemos a nossa aliança com Cristo, lembrando que o sangue de Jesus não foi derramado em vão. Ele encerra a maldição da lei e estabelece a salvação pela graça. Sela a vitória sobre o adversário, sobre a morte, cumpre profecias passadas e estabelece a garantia do cumprimento das promessas de Jesus.

A ceia é um bom momento para nos lembrarmos que Jesus foi ao monte das Oliveiras e ali, num jardim de nome Getsêmani, ajoelhou-se e orou dizendo: "Pai, se queres, passa de mim este cálice; contudo não se faça a minha vontade, e sim a tua" (Lucas 22.42). O temido "cálice" representa os pecados do mundo, que Ele iria levar. Tal peso ia ser muito mais terrível que a dor física que Ele sofreria. Sua angústia foi tal que Ele suou grandes gotas de sangue naquela noite (Lc 22:44).

É importante que o professor esclareça ao novo convertido que os elementos da ceia não passam por nenhuma transformação, que permanecem inalteráveis em sua natureza; o pão, continua a ser pão e o vinho continua a ser vinho. O professor também deve deixar claro que a ceia não tem o poder de conferir qualquer graça especial a quem dela participe e que sua comemoração é feita simplesmente para lembrança da morte de Cristo, sua ressurreição e a promessa de sua vinda futura. A bênção advinda da sua comemoração consiste somente em reavivar na mente dos participantes a obra de amor de Cristo Jesus, ensejando-lhes oportunidade de examinarem a consciência e de renovarem seus propósitos para com Deus.

III. COMO O CRENTE DEVE PARTICIPAR DA CEIA

O apóstolo Paulo revelou na passagem mencionada que os coríntios não estavam celebrando corretamente a ceia. Não a entendiam, e faziam dela um banquete em que uns comiam muito e outros nada tinham. Por isso Paulo, em sua carta, orientou-os para que entendessem a finalidade da ceia e a maneira adequada de sua celebração. De seus ensinos aos coríntios é conveniente destacar:

1. Com discernimento. É preciso que o crente participe da ceia com discernimento. Isto é, entendendo o que ela significa e objetiva. Caso contrário, a transformará numa rotina fria e sem sentido.

2. Com exame de consciência. É preciso que o crente se examine antes de participar da ceia. Isso não quer dizer que deixe de participar, em certas circunstâncias, e sim que se corrija, se estiver em falta, e com novo propósito participe da ordenança.

3. Com reverência. É preciso que o crente participe da ceia reverente e solenemente em virtude do que ela representa, a morte de Jesus.

DISCIPULADO

A Santa Ceia simboliza o sofrimento e a morte de Jesus. Não basta, porém, ficarmos comovidos com isto. Devemos pensar profundamente e aceitar a vitória ganha por Ele através da sua obra completa. A morte de Cristo não ocorreu em vão; Jesus assim cumpriu a incumbência recebida do seu Pai, e ganhou para si um povo santo e crente.

A Santa Ceia é um ato comemorativo, não um ato sacrificial. Ela nos faz lembrar que Cristo "se manifestou uma vez por todas, para aniquilar pelo sacrifício de si mesmo o pecado" (Hebreus 9.26).

A Ceia do Senhor não é um altar, sobre o qual Jesus Cristo se sacrifica repetidas vezes. Participamos da Ceia, dando graças pela morte sacrificial de Jesus já realizada em nosso favor. Dessa forma, continuaremos proclamando a morte dEle até que Ele venha de novo (1 Coríntios 11.26).

A Ceia do Senhor, ou comunhão, como rito distintivo de adoração, foi instituída pelo Senhor Jesus na véspera de sua morte expiatória (1 Co 11. 23) e consiste na participação simbólica do pão e do vinho, que são apresentados ao Pai em memória do sacrifício de Cristo no Calvário. É um ato de graça que nos incentiva a uma fé mais viva, a uma fidelidade maior a Cristo. A Ceia do Senhor apresenta os dois fundamentos do Evangelho, dando segurança aos que dela participam com um coração puro e por fé:

a)    A encarnação. Ao tomarmos o pão, nós ouvimos o nosso amado João dizer: "E o verbo se fez carne e habitou entre nós" (Jo 1.14), e escutamos o próprio Jesus falar: "Porque o pão de Deus é aquele que desce do Céu e dá vida ao mundo" (Jo 6. 33); "eu sou o pão da vida" (Jo 6. 48) e o "pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo" (Jo 6.51).

b)    A expiação. As bênçãos incluídas na encarnação nos são oferecidas mediante a morte de Cristo. O pão e o vinho simbolizam os dois resultados da morte de Cristo na Cruz: O vinho nos faz lembrar que o sangue de Jesus, que é a sua vida, foi derramado na sua morte (Is 53. 12), por causa das nossas ofensas e pecados antes cometidos. O vinho nos lembra especialmente que, pela fé, podemos ser participantes da natureza do Salvador, isto é, podemos ser participantes da natureza do Salvador, isto é, Ter comunhão com Ele. Ao participarmos do pão e do vinho, o Espírito Santo nos assegura que, pela fé, podemos receber o Espírito vivificador de Cristo, e ser o reflexo do seu caráter no meio desta geração má e perversa. O sangue simboliza o pacto selado (...)

Cristo como o pão da vida

Esta ordenança simboliza o corpo quebrantado de Jesus e seu sangue derramado na cruz do Calvário e a nossa participação das bênçãos emanantes da sua morte expiatória, bem como do pacto ratificado com o próprio sangue de Cristo. A nossa união com o Senhor é a segurança da nossa vida espiritual e é segredo de uma vida renovada. Ele mesmo disse: "Eu sou o pão da vida" (Jo 6. 48), "quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia" (Jo 6. 54).

 

GLOSSÁRIO

Aniquilar: Reduzir a nada; anular, destruir.

Ascensão: Subida, elevação.

Discernimento: Faculdade de julgar as coisas clara e sensatamente.

Incumbência: Missão ou negócio que se incumbe a alguém; encargo.

Memorial: Relativo a memória; lembrança.

Prefigurar: Figurar ou representar de antemão (coisa futura).

VERIFIQUE O QUE VOCÊ APRENDEU

1. Quais são os elementos usados para celebrar a Ceia do Senhor?

 

 

2. Explique a simbologia dos elementos usados na Santa Ceia.

 

 

3. Qual é o propósito da Ceia do Senhor?

 

 

4. Por que é importante comemorarmos a Santa Ceia?

 

 

5. Com que Jesus selou o Novo Pacto com os homens? 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!