Tabernáculo - parte 1

Tabernáculo - parte 1

Por: Roseli Pereira

Contexto histórico

Egito – primeiro império mundial

Características:

  • Primeiro império a dominar o mundo antigo;
  • Não era conquistador;
  • Era o país mais desenvolvido da época;
  • Foi colonizado pelos descendentes de Cão, filho de Noé;
  • Sua agricultura era riquíssima em vários produtos, todos advindos da diferencial irrigação do rio Nilo;
  • O povo era totalmente pagão: politeístas, como todos os povos da época;
  •  Cultuavam os mortos e mumificavam cadáveres, dedicando muito tempo aos mortos.

Rio Nilo

  • Diz-se que o Egito é uma dádiva do Nilo;
  • Trouxe imensa prosperidade ao país;
  • Banha a Costa Leste do Egito;
  • Rio mais extenso do Globo Terrestre – 6.650 Km;
  • Era tão importante para o Egito que era cultuado como divindade;

Crescente Fértil – o transbordar do Rio Nilo

  • O rio enchia a cada 6 meses - eram 6 meses de cheia e 6 meses de seca; 
  • Quando o rio enchia, suas águas traziam sedimentos que fertilizavam a terra;
  • Quando o rio tornava ao seu nível normal (“esvaziava”), os egípcios plantavam - quando enchia colhiam.
  • O processo da “crescente fértil” é que tornava a agricultura do Egito rica, favorecendo o plantio de trigo, cevada, azeitona, lentilha, cebola, alho e linho, que era usado para envolver as múmias;

Religião

  • Quase tudo era deus no Egito, mas e único e verdadeiro Deus Jeová não era considerado deus;
  • Exemplos de deuses do Egito: Rio Nilo, Jacaré, Boi, Vaca, Rã, é a deusa que ajuda na hora do parto.
  • Faraó, também era considerado um deus.
  • Por isso, quando ele morria, era embalsamado, pois acreditavam que ele iria ressuscitar.
  • Seu corpo era colocado dentro do Sarcófago, caixão de defunto, de luxo.
  • O sarcófago era depositado numa Pirâmide.
  • Como Faraó iria ressuscitar, dentro da Pirâmide ficava todo seu tesouro, sua riqueza.
  • Hoje foi tudo roubado. Atualmente, o Egito é o país mais saqueado do mundo.
  • Nas Pirâmides, também ficava comida e bebido do bom e do melhor.
  • Jogos preferidos de Faraó. Barcos, no caso de ele acordar e desejar dar uma volta pelo Nilo. Etc...

Pirâmides mais famosas

  • Quéops – 145 m de altura
  • Quéfrem   
  • Miquerinos.

 

O povo hebreu

No Egito

  • O povo hebreu habitou no Egito por 430 anos;
  • Entre 1.000 a 1.500 a.C., Deus levantou Moisés para libertar o povo da escravidão de Faraó;
  • Ao sair do Egito, os hebreus atravessaram o Mar Vermelho e partiram para o deserto, onde ficaram por 40 anos até entrarem em Canaã. Saíram no dia 15 de abril de 1462 a.C;
  • O Egito era um lugar de escravidão para o povo hebreu, além de ser um local onde não tinham liberdade de servir e adorar a Deus. No Egito não se podia sacrificar animais para adoração ao Senhor. Entre vários outros, o Bode, o boi e a vaca eram animais sagrados no Egito, de modo que não podiam ser oferecidos em sacrifício.

No deserto – direção e proteção de Deus

(Êxodo 13:21-22 RA) “21 O SENHOR ia adiante deles, durante o dia, numa coluna de nuvem, para os guiar pelo caminho; durante a noite, numa coluna de fogo, para os alumiar, a fim de que caminhassem de dia e de noite. 22  Nunca se apartou do povo a coluna de nuvem durante o dia, nem a coluna de fogo durante a noite.”

No tempo da peregrinação do povo pelo deserto, a utilidade da nuvem era dirigir e proteger o povo de Deus. Tal como o povo hebreu, nós estamos no deserto, que é este mundo árido, sem vida. Nessas condições, Deus age conosco da mesma forma como agia com o povo hebreu, dirigindo e protegendo.

A condição do povo no deserto

No deserto, a temperatura chega a 50º durante o dia. Durante a noite a temperatura cai para zero grau. Não fosse a coluna de fogo que pairava sobre o povo durante a noite, bem como a sombra da nuvem durante o dia, toda aquela população de crianças, jovens, adultos e velhos não suportaria a vida no deserto.

Quem dava a direção a seguir era a nuvem. Somente debaixo dela havia possibilidade de sobrevivência no deserto. Se a nuvem parava, eles paravam, se ela se movesse, eles marchavam.

A coluna e a nuvem evidenciavam a presença de Deus.

De onde veio o material para a construção do Tabernáculo?

A promessa de Deus

(Ex. 3:21-22)21  Eu darei mercê a este povo aos olhos dos egípcios; e, quando sairdes, não será de mãos vazias. 22  Cada mulher pedirá à sua vizinha e à sua hóspeda jóias de prata, e jóias de ouro, e vestimentas; as quais poreis sobre vossos filhos e sobre vossas filhas; e despojareis os egípcios.

Deus prometeu que o povo hebreu não sairia de mãos vazias do Egito. As mulheres saíram com muitas jóias dadas pelos egípcios, ao que Deus chamou de despojo, que era o que ocorria quando uma batalha era vencida – o vencedor despojava o perdedor, o qual havia dominado, conquistado ou superado (Deus haveria de vencer a resistência de Faraó).

O cumprimento da profecia

(Ex. 12:35-36) 35 Fizeram, pois, os filhos de Israel conforme a palavra de Moisés e pediram aos egípcios objetos de prata, e objetos de ouro, e roupas.36  E o SENHOR fez que seu povo encontrasse favor da parte dos egípcios, de maneira que estes lhes davam o que pediam. E despojaram os egípcios.

Os hebreus não pilharam nem furtaram. Os egípcios deram “espontaneamente”. Acharam graça nos hebreus. A profecia se cumpriu.

 

O Tabernáculo no deserto

O material utilizado na construção do Tabernáculo

(Ex. 25:3-8) 3  Esta é a oferta que dele recebereis: ouro, e prata, e bronze, 4  e estofo azul, e púrpura, e carmesim, e linho fino, e pêlos de cabra, 5  e peles de carneiro tintas de vermelho, e peles finas, e madeira de acácia, 6  azeite para a luz, especiarias para o óleo de unção e para o incenso aromático, 7  pedras de ônix e pedras de engaste, para a estola sacerdotal e para o peitoral. 8  E me farão um santuário, para que eu possa habitar no meio deles.

  • Ouro, prata, bronze e pedras preciosas.
  • Linho, madeira, peles de animais e azeite.
  • Cores: azul, branco, púrpura e carmesim.

A construção do Tabernáculo

 A voluntariedade do povo

(Ex. 25: 1-2) 1 Disse o SENHOR a Moisés: 2 Fala aos filhos de Israel que me tragam oferta; de todo homem cujo coração o mover para isso, dele recebereis a minha oferta.

A voluntariedade e a disposição do povo em doar foi tamanha que Moisés chegou a impedir que ofertassem ao Senhor, pois já tinha mais que o suficiente.

(Ex: 36:5-7) 4 Então, deixando cada um a obra que fazia, vieram todos os homens sábios que se ocupavam em toda a obra do santuário 5  e disseram a Moisés: O povo traz muito mais do que é necessário para o serviço da obra que o SENHOR ordenou se fizesse. 6  Então, ordenou Moisés e a ordem foi proclamada no arraial, dizendo: Nenhum homem ou mulher faça mais obra alguma para a oferta do santuário. Assim, o povo foi proibido de trazer mais.

Ordem de deus para a construção do Tabernáculo: “Que tudo seja feito segundo o modelo”. Ex. 25:9,40;  26:30;  27:8.

  • Modelo = tipo, representação em pequena escala;
  • Ex 25 a 31 contém as instruções ao povo sobre como construir o Tabernáculo;
  • Deus mostrou a Moisés o modelo e frisou 50 vezes que nada poderia ser modificado, pois na mente do Senhor, tudo tinha um propósito e tudo estava bem claro e definido;
  • Para o povo hebreu, tudo parecia muito sistemático e metódico.

O projeto do Tabernáculo -  “planta baixa”

O Tabernáculo era formado por três partes. A exterior era uma cortinada que formava um muro onde no seu interior ficava uma tenda dividida em duas partes.

A tenda:

  • Media 15m de cumprimento x 5m de largura e 5m de altura.
  • Dividida em duas partes, separadas por um véu.
As partes do Tabernáculo e suas características:

A primeira parte do Tabernáculo:

  • A primeira do Tabernáculo era a parte de dentro da cortinada e formava um pátio chamada de “Átrio”;
  • A cortinada, com seu “átrio”,  constituía o invólucro da tenda, que pode ser comparado ao nosso corpo, como templo do Espírito Santo de Deus. Nosso corpo é o invólucro da alma e do espírito;
  • No átrio, todo hebreu podia entrar para oferecer sacrifício a Deus;
  • O hebreu era um ofertante;
  • O átrio era retangular: media 100 côvados de cumprimento por 50 côvados de largura, o que equivale a 50 metros de cumprimento por 25 metros de largura.
  • No átrio encontrava-se o Altar de Bronze e a Bacia de Bronze
  • No átrio, os elementos foram confeccionados em bronze.

(Ex : 27:9-13) Farás também o átrio do tabernáculo; ao lado meridional (que dá para o sul), o átrio terá cortinas de linho fino retorcido; o comprimento de cada lado será de cem côvados.13  A largura do átrio do lado oriental (para o levante) será de cinqüenta côvados.

 A segunda parte do Tabernáculo:

  • A segunda parte do Tabernáculo foi chamada de “Lugar Santo”
  • O Lugar Santo era a primeira parte da “Tenda” e tinha 10 metros de cumprimento, 5 metros de largura e cinco metros de altura – 10mx5mx5m;
  •  No Lugar Santo encontrava-se:
    • a Mesa com os pães da proposição,
    • o Altar de Incenso
    • o Candelabro com 7 astes.
  • Todos os componentes do Santo Lugar foram confeccionados em madeira de acácia e revestidos de ouro.
  • No lugar Santo somente os Sacerdotes entravam.

A terceira parte do Tabernáculo:

  • A terceira parte do Tabernáculo foi chamada de “Lugar Santíssimo” ou “Santo dos Santos”;
  • O “Lugar Santíssimo” era a segunda parte da “Tenda” e media 5 metros de cumprimento por cinco de largura e 5 metros de altura, ou seja, era um cubo de 5m x 5m x 5m;
  • No “Lugar Santíssimo” ficava a Arca da Aliança e o Propiciatório;
  • Somente o Sumo Sacerdote tinha a permissão para entrar, uma vez por ano, no Santíssimo Lugar. Neste dia, sua missão era oferecer expiação do pecado do povo;
  • Tanto o sacerdote, como o Sumo Sacerdote tinham que ser da Tribo de Levi.

(Hebreus 9:6) “mas, no segundo, só o sumo sacerdote, uma vez no ano, não sem sangue, que oferecia por si mesmo e pelas culpas do povo”;

O acesso de pessoas ao átrio do Tabernáculo

O ofertante

Qualquer ofertante podia entrar no átrio para ofertar ao Senhor. Quando se tratava de oferta de animais, o ofertante o levava até o sacerdote, diante do altar. Ali, punha a mão sobre a cabeça do animal e confessava seu pecado. Aquele ato simbolizava a transferência de seus pecados para o animal, o qual era sacrificado, em seguida, pelo sacerdote. Desse modo, o animal morria pela culpa transferida a ele, ou seja, o animal morria no lugar do homem pecador. O Sacerdote imolava o animal e aspergia seu sangue sobre o altar do holocausto.

(Hb 9:22) Sem derramamento de sangue, não há remissão de pecados

O Sacerdote

 O sacerdote entrava diariamente no átrio para oferecer sacrifícios, exceto aos sábados.

Todo serviço do Santuário era feito pelos sacerdotes.

Exemplo de sacerdotes: os filhos de Eli, Nadabe e Abiu; o profeta Jeremias; e Zacarias, no tempo de Jesus;

O Sumo Sacerdote

O Sumo Sacerdote, além do livre acesso ao átrio e ao Santo Lugar, era o único que tinha acesso, uma vez por ano, ao Lugar Santíssimo, sendo considerado o mediador entre o homem e Deus, a exemplo de Arão, na época do deserto.


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!