1 - O discípulo e o lar cristão

09/04/2015 19:39

"Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais; se os deuses a quem serviram vossos pais, que estavam dalém do rio, ou os deuses dos amorreus, em cuja terra habitais. Porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor" Josué,24.15”.

INTRODUÇÃO

A salvação que você recebeu, através de Jesus Cristo, resultará em grandes mudanças no seu modo de vida. A partir daí, você começou uma nova caminhada, onde, segundo a Bíblia, ''tudo se fez novo". Isto inclui não só a vida pessoal, mas também a área do relacionamento. Esta "nova vida" toma forma na maneira como o crente se comporta no meio em que vive. Em outras palavras, ele não vive mais por si mesmo, mas todas as suas ações são fruto desta comunhão íntima com o Salvador, como disse o apóstolo Paulo: "...vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim" (Gálatas 2.20). O lar é o ponto de partida desta nova experiência. É ali, junto aos familiares, que você pode e deve começar a pôr em prática a sua nova vida em Cristo, como testemunho da transformação que o conduziu a esta nova dimensão espiritual.

I. O QUE É O LAR

1. A família, a base do lar. O lar não é simplesmente uma casa, onde a família se reúne. É muito mais do que isto. É a dimensão física que traduz o propósito de Deus, ao instituir o casamento, através de nossos primeiros pais, Adão e Eva. (Leia Gênesis 2.18).

Jamais foi desejo de Deus que o homem vivesse uma vida solitária. Daí a decisão de fazer-lhe uma companheira. A idéia aqui é basicamente de companheirismo, solidariedade, respeito mútuo e vida em comum. O lar é, portanto, a expressão maior da unidade familiar, onde estas qualidades podem ser demonstradas na vida do casal e no seu relacionamento com os filhos.

2. O lar, a base da sociedade. Os lares formam a sociedade. Lares desagregados vão também corresponder a uma sociedade desagregada. Esta é a razão pela qual Satanás procura subverter os princípios que regem o lar. Desta forma, ele sabe que pode destruir a sociedade. De que forma, ele faz isto? Disseminando a infidelidade conjugal, o desrespeito aos pais, a falta de diálogo no lar, o amor livre entre os jovens e instituindo outros valores que ferem a Palavra de Deus. É por isso que Josué, o líder que substituiu Moisés na liderança do povo de Israel, fez questão de confrontar seus liderados, diante da pressão exercida por outros povos que praticavam a idolatria. Ele partiu da base, o lar, para o todo: "Eu e a minha casa serviremos ao Senhor" (Josué 24.15). Ou seja, se as demais famílias seguissem a mesma trilha, o povo de Israel seria fortalecido e ficaria imune às pressões externas.

Diante do que representa o lar para a sociedade, você, como novo crente, tem um importante papel a desempenhar, para que todos possam ser beneficiados pela sua nova vida em Cristo. Jesus mesmo disse: "Vós sois a luz do mundo" (Mateus 5.14). Luz, neste caso, significa que as trevas são afastadas, e que existe segurança para a caminhada, pois os perigos são expostos pela claridade. Esta luz é você, que precisa iluminar a partir do seu próprio lar.

Não é possível ter um "comportamento de crente" no templo, onde a igreja se reúne, e ter no lar um comportamento de incrédulo. As duas coisas não se combinam e significa que ainda não houve, de fato, conversão a Cristo.

II. O LAR COMO EXTENSÃO DA IGREJA

1. O que significa o vocábulo Igreja? A palavra "Igreja" quer dizer "uma reunião de pessoas chamadas para fora". Ou seja, um grupo de pessoas que saíram de dentro do mundo (espiritual e não fisicamente) para juntos seguirem a Cristo. Neste sentido, todos os crentes em qualquer parte do mundo formam a Igreja. A palavra, Igreja, pode também ser aplicada aos crentes de um determinado lugar - isto é a "Igreja local".

Por conseqüência, a igreja é também formada pelos lares, assim como a sociedade. Portanto, quando você começou a freqüentar a igreja na qual está servindo a Cristo, pôde observar que ela é constituída de indivíduos que pertencem a famílias distintas que, juntas, adoram a Deus em espírito e em verdade.

2. O lar, a extensão da igreja. Ora, diante da definição acima, é justo considerar que o lar é a extensão da Igreja. Em outras palavras, isto quer dizer que o bom testemunho cristão deve começar a ser vivido no lar. Não é possível ter um "comportamento de crente" no templo, onde a igreja se reúne, e ter no lar um comportamento de incrédulo. As duas coisas não se combinam e significa que ainda não houve, de fato, conversão a Cristo. Mesmo que todos à sua volta não tenham sido salvos, se você se comporta como luz, no dizer do Mestre, as trevas não terão poder sobre sua vida. É uma questão de lógica: elas não podem sobrepor-se à luz. Então lembre-se: onde você estiver, aí está a Igreja de Cristo, e isto inclui o lar. Faça dele o seu ponto de apoio para alcançar outros que ainda não conhecem a Cristo. Você é um instrumento pelo qual a graça salvadora pode chegar aos seus parentes, vizinhos e amigos.

III. A VIDA CRISTÃ NO LAR

1. O que é vida cristã? Definir vida cristã é simples. Agora vivê-la implica sério compromisso com Cristo. Veja o que o Mestre disse em Mateus 16.24: "Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz e siga-me." Isso significa que a vida cristã é o ato de seguir a Cristo, renunciando os interesses próprios, para que a vontade dEle prevaleça em todas as áreas que lhe são submetidas a partir da conversão. Repetindo o texto bíblico que foi usado no primeiro ponto deste comentário, é o ato de estar figuradamente crucificado com Cristo, para que Ele viva através de nós. Aqueles que nos virem, portanto, observarão em nossa vida não a nós mesmos, mas as marcas do caráter de Cristo.

É óbvio que, do ponto de vista de Deus, isto é um processo, no qual somos aperfeiçoados dia-a-dia. O profeta Oséias escreveu: "Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor" (Oséias 6.3). Quando você é apresentado a uma pessoa pela primeira vez, jamais irá conhecê-la plenamente no primeiro contato. Este conhecimento será progressivo, à medida que o tempo passa, e ainda assim muitas coisas ficarão encobertas. Com a vida cristã, em certo sentido é a mesma coisa. O aprendizado é diário, aos pés de Cristo, até que se alcance a maturidade espiritual. Paulo definiu este processo dizendo: "Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus" (Filipenses 3.13,14).

Esquecer as coisas que atrás ficam não significa permanecer parado remoendo as imperfeições. Ao contrário, precisamos aprender com os erros do passado, para que eles não sejam repetidos. Prosseguir para o alvo é entender que a vida cristã não é uma caminhada sem destino, mas há um norte para o qual to-dos os crentes avançam: é o prêmio da soberana vocação em Cristo Jesus.

2. Como viver a vida cristã no lar. Como você já aprendeu, fica claro que, a partir da conversão, sua vida mudou. Agora, as suas motivações são outras. Isto vai refletir em seu comportamento no lar. Tem que ser assim. Mas como viver esta nova vida no lar, principalmente, se os demais familiares não forem crentes? Você não pode partir para o extremo e impor, pela força, a conversão de seus parentes. A Palavra de Deus diz: "Não por força, nem por violência, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos" (Zacarias 4.6).

É o Espírito Santo quem faz a obra, sem necessidade da força ou violência. Não é, também, recomendável extrapolar os limites de sua liberdade e "perturbar" os demais familiares nos momentos inoportunos. Isto pode fechar as portas para o Evangelho. Então, o que fazer? Seja prudente, sem que isto signifique falta de ação. Procure ser um observador atento das oportunidades e aproveite-as com cuidado, para mostrar o amor de Jesus. Procure deixar que o testemunho de suas próprias ações fale, sem palavras, pois soará mais alto do que qualquer outra coisa.

Se você é um pai de família, pode lentamente introduzir o culto doméstico, levando a esposa e os filhos a participarem com alegria da reunião. Levá-los à igreja depois será uma questão de tempo.

Se você é a esposa, pode até começar o culto doméstico, mas primeiro busque a concordância do marido, para que isto não seja fator de desagregação. Outra coisa: é importante participar das reuniões da igreja, mas não abandone o marido e os filhos à própria sorte. A Bíblia não aprova este tipo de conduta. Procure primeiro cuidar das obrigações do lar. Depois vá aos cultos, sem prejuízo da família. Muitas mulheres que agiram desta forma ganharam os seus maridos para Cristo.

Se você é filho, aja do mesmo modo. Seja obediente aos pais, cumpra as suas obrigações filiais e mostre que a rebeldia é coisa do passado. Se você for induzido a alguma prática incompatível com a fé cristã, seja educado e responda, com mansidão, que você agora tem outro projeto de vida: o de servir a Cristo de todo o coração.

Não se esqueça: o que você foi no passado e o que é agora vão ter grande influência sobre aqueles que o cercam.

 

A vida cristã é o ato de seguir a Cristo, renunciando os interesses próprios, para que a vontade dEle prevaleça em todas as áreas que lhe são submetidas a partir da conversão.

Finalmente, você pode fazer o mais importante: estabeleça um programa pessoal e diário de oração e leitura da Palavra de Deus. Descubra um horário que lhe seja mais oportuno, de modo que você possa ficar a sós no seu quarto. Leia a Bíblia, o verdadeiro alimento para a sua alma, e ore para que o seu testemunho, como crente, seja um poder de atração para levar os seus familiares aos pés de Cristo.

DISCIPULADO

1. Você deseja que seus familiares experimentem a mesma bênção que agora desfruta. Convide-os, portanto, a participar de um culto na igreja onde você congrega. Este poderá ser o ponto de partida para que eles cheguem ao conhecimento de Cristo.

2. Se possível, convide pessoas maduras de sua igreja para visitar os seus familiares. Mas faça-o de modo que a visita seja recebida sem constrangimento e que sejam crentes que não venham criar dificuldades.

3. Se os seus familiares gostam de ler, presenteie-os com livros evangélicos, principalmente aqueles que trazem testemunhos marcantes que podem tocar em seus corações.

AUXÍLIOS SUPLEMENTARES

Subsídio bibliológico

"Fatores que podem contribuir eficazmente para a formação de um lar feliz.

1. O amor conjugal. O lar se estabiliza e se desenvolve quando o amor envolve todos os seus integrantes. Em relação à família, existem diferentes qualidades e espécies de amor, vindo em primeiro lugar, como base e modelo, o amor conjugal. Nas relações entre marido e mulher, a paz e a felicidade provêm do amor conjugal, ou seja, a afeição atraente do marido pela mulher e da mulher pelo marido e a disposição mútua em atender às necessidades um do outro. Os casais felizes sabem, pela experiência, que o amor conjugal vai se tornando cada vez mais vigoroso, profundo, confiante e sólido, à medida que se prolonga a convivência. Não se arrefece nos períodos de doenças, não desaparece nas crises econômicas, não se dobra nas tensões sociais, não é dominado pelo aborrecimento, como também não se altera na ausência.

2. Amor natural. O amor é contagiante e se propaga, mas também pode ser aprendido, quando, em seu sentido bíblico, se manifesta nas atitudes do crente, independentemente de seus sentimentos, passando, assim, a fazer parte da natureza de um novo nascido. Para quem tem comunhão com Deus, a fonte é esta: "O amor de Deus está derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado" (Rm 5.5). O amor que une inseparavelmente marido e mulher passa aos filhos e se evidencia pelo bem-estar destes, pois quem ama ajuda e protege.

3. Amor filial. A reciprocidade deve ser característica sempre presente no amor da família. Quem ama merece ser amado. O amor dos filhos sensibiliza os pais e inspira o amor destes para com eles. Quem ama obedece. A regra nesse sentido foi estabelecida nas relações dos discípulos para com o Senhor Jesus: "Se alguém me ama, guardará a minha palavra (Jo 14. 23). É desse modo que notamos que o amor bíblico se expressa em atitudes.

4. Amor fraternal. Literalmente, é amor entre irmãos, quando uns servem aos outros. É certo que o amor do casal e deste para com os filhos se constitui um modelo para as relações dos filhos entre si, mas o amor fraternal é o elo entre os irmãos e a força que os impele a se empenharem pelo bem uns dos outros. É agradável e proveitoso quando o amor é o apanágio dos irmãos no lar. Irmãos que se odeiam e se combatem estão seguindo o exemplo de Caim, dividindo a casa e destruindo os seus alicerces (Mt 12.25). Nada contribui mais eficientemente para o desenvolvimento do lar do que o amor entre os familiares.

5. Lealdade e respeito. Havendo amor, haverá também lealdade e respeito. Essas são as dívidas, especialmente de marido e mulher, um para com o outro. São fatores de confiança e de tranqüilidade. Lealdade e respeito entre o casal constitui-se a prova do amor, o teste de caráter, a honra do compromisso, a garantia de estarem seguros e o dever para com Deus e a família. Essas qualidades se evidenciam especialmente na ausência e comprovam-se nos tempos de angústia. Na Bíblia, lemos: "Como dente quebrado e pé deslocado, assim é a confiança no desleal, no tempo da angústia" (Pv 25. 19).

Da mesma forma, deve haver lealdade e respeito entre pais, filhos e irmãos. Procedendo assim, desenvolver-se-á no lar um clima de confiança, capaz de promover o bem-estar de todos.

6. Otimismo e visão. Sem a necessária visão do plano de Deus para a família, não haverá o otimismo indispensável para a construção do lar.

Atualmente a família não está recebendo o devido apoio da sociedade. Há países onde o casamento é desprezado e a família sofre forte oposição. Pais não querem os filhos, filhos desobedecem aos pais, pois não têm visão, nem otimismo, ou mesmo perspectiva de futuro.

Se a família cristã quiser permanecer na unidade estabelecida por Deus, os pais, especialmente, precisarão ter uma larga visão dos seus propósitos e revestirem-se de mais otimismo. Satanás não pode triunfar nessa batalha.

Contra a influência da sociedade moderna, a família tem que se entrincheirar nas regras estabelecidas pelo Senhor, pondo-as em prática. Deus quer que o casamento seja respeitado, o lar desenvolvido, e a unidade da família preservada.

Apegue-se aos preceitos divinos, aceite o desafio e faça do seu lar uma bênção, em nome do Senhor" (... E Deus Fez a Família, CPAD, págs. 81- 84)

 

GLOSSÁRIO

Dimensão: Importância, valor.

Solidariedade: Laço ou vínculo recíproco de pessoas ou coisas independentes.

Subverter: Perturbar completamente; transtornar, desordenar.

Imune: Não sujeito; isento, livre.

Extrapolar: Ir além de; ultrapassar, exceder.

VERIFIQUE O QUE VOCÊ APRENDEU

1. Quem disse: "vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim"?

 

 

2. Por que Deus criou a companheira para o homem?

 

 

3. Por que o lar é a expressão maior da unidade familiar

 

 

4. O que significa a expressão: "Vós sois a luz do mundo"?

 

 

5. Por que o lar é a extensão da igreja?


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!